Epu’ã! Levante-se! ou o que os Guarani Mbya podem nos ensinar sobre o fazer musical e sobre educação musical

Autores

  • Daisy Fragoso Universidade de São Paulo

Resumo

Este artigo discute, brevemente, o modo como os Guarani Mbya da aldeia Tenonde Porã (SP) ensinam e aprendem música no contexto da opy (casa de rezas), ainda que tal contexto esteja inserido nas atividades da escola que fica na aldeia – a Escola Estadual Indígena Guarani Gwyra Pepo. O que se observa é a ênfase que os Mbya dão ao fazer, mas, mais que isso, ao fazer coletivo. Isso indica não somente a relevância da experiência nos processos de ensino e aprendizagem de música, mas, principalmente, da aprendizagem tanto entre pares quanto intergeracional. Por fim, o artigo se dedica à proposta de uma atividade de educação musical a partir de uma dança guarani, o Tangara.

Biografia do Autor

Daisy Fragoso, Universidade de São Paulo

Doutoranda e Mestra em Musicologia (com linha de pesquisa em Etnomusicologia) pela ECA-USP. Educadora musical formada em Licenciatura em Música pela mesma instituição e professora de música na educação básica.

Referências

ALMEIDA, Berenice de. Encontros musicais: pensar e fazer música na sala de aula. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2009.

BRITO, Teca Alencar de. Um jogo chamado música: escuta, experiência, criação, educação. São Paulo: Peirópolis, 2019.

CTI – CENTRO DE TRABALHO INDIGENISTA (Coord. Editorial). Xondaro Mbaraete: a força do Xondaro. São Paulo: CTI, 2013.

DOOLEY, Robert A. (Organização, compilação e assistência linguística). Léxico Guarani, dialeto mbya: versão para fins acadêmicos. Porto Velho: Sociedade Internacional de Linguística, revisão de novembro de 1998.

KEESE DOS SANTOS, Lucas. A esquiva do xondaro: movimento e ação política entre os Guarani Mbya. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

MACEDO, Valeria. Nexos da diferença: cultura e afecção em uma aldeia guarani na Serra do Mar. Tese (Doutorado em Antropologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

______. Tracking Guarani Songs. Between Villages, Cities and Worlds. Vibrant, Dossiê Música e Antropologia, [online], v. 8, n. 1, p. 377-410, 2011a. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/vb/v8n1/a14v8n1.pdf>. Acesso em: 16 mai. 2020.

______. Vetores porã e vai na cosmopolítica Guarani. Tellus, Campo Grande, ano 11, n. 21, p. 25-52, jul./dez. 2011b. Disponível em:

<http://www.tellus.ucdb.br/index.php/tellus/article/view/241/277>. Acesso em: 16 mai. 2020.

______. Dos cantos para o mundo. Invisibilidade, figurações da “cultura” e o se fazer ouvir nos corais guarani. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 55, n. 1, p. 357-400, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/46969/51314>. Acesso em: 16 mai. 2020.

______. De encontros nos corpos guarani. Ilha – Revista de Antropologia, UFSC, Santa Catarina, v. 15, n. 2, p. 181-210, jul./dez. 2013. Disponível em:

<https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/2175-8034.2013v15n1-2p180/26069>. Acesso em: 16 mai. 2020.

______. Misturar e circular em modulações guarani. Uma etnologia das (in)disposições. Mana, v.23, n. 3, p. 511-543, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/mana/v23n3/1678-4944-mana-23-03-511.pdf>. Acesso em: 16 mai. 2020.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. Através do Mbaraka: música e xamamismo guarani. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

______. Através do Mbaraka: música e xamamismo guarani. São Paulo: Edusp, 2009.

PIERRI, Daniel Calazans. O perecível e o imperecível: reflexões guarani Mbya sobre a existência. São Paulo: Elefante, 2018.

PISSOLATO, Elizabeth de Paula. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamamismo mbya (guarani). São Paulo: Unesp/ISA; Rio de Janeiro: NuTI, 2007.

PUCCI, Magda; ALMEIDA, Berenice. Cantos da floresta: iniciação ao universo musical indígena. São Paulo: Peirópolis, 2017.

_______. A floresta canta: uma expedição sonora por terras indígenas do Brasil. São Paulo: Peirópolis, 2014.

SEÁRA, Éliton Clayton Rufino. Diálogos interculturais com os Tchondaro Guarani. In: TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz; ALMEIDA, José Nilton de; RESENDÍZ, Nicanor Rebolledo. (Orgs.). Diversidade, educação e infância: reflexões antropológicas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

SILVEIRA, Nádia Heusi Silveira; MELO, Clarissa Rocha de; JESUS, Suzana Cavalheiro de. (Orgs.). Diálogos com os Guarani: articulando compreensões antropológicas e indígenas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

SMALL, Christopher. Musicking: the meanings of performing and listening. Middletown, CT: Wesleyan University Press, 1998.

Downloads

Publicado

25-03-2021

Como Citar

Fragoso, D. (2021). Epu’ã! Levante-se! ou o que os Guarani Mbya podem nos ensinar sobre o fazer musical e sobre educação musical. Música Na Educação Básica, 10(12). Recuperado de https://revistameb.abem.mus.br/meb/article/view/212